você se importa?

///////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////

///////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////

'''''''''''''''''''''''''''''''

Sedmikrásky (no Brasil, As Pequenas Margaridas; também conhecido como Daisies) é um filme tchecoslovaco de 1966 dirigido e escrito por Věra Chytilová. O filme foi planejado como uma comédia satírica e foi descrito por Chytilová como "um obituário sobre uma visão negativa da vida". O filme retrata duas jovens melhores amigas que, observando o caos do mundo a sua volta, decidem seguir o exemplo do próprio, tornando-se más e obscenas.

,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,

///////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////

///////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////

Duas meninas inocentes tomam sol e conversam sobre suas percepções do mundo. O mundo vai mal. As pessoas são más. Então por que não seguir o curso natural das coisas e sucumbir à maldade também? "Você se importa?", é a última frase da primeira cena, que termina com um tapa na cara e um corte para um campo florido. No centro desse campo florido há uma árvore. Em uma alusão ao conto bíblico, as meninas se aproximam da árvore e observam seus frutos. Na cena seguinte, já estão dando início às suas novas vidas.

Elas usam delineador nos olhos. Elas trocam de roupa o tempo todo. Elas enganam velhos casados. Elas jantam em restaurantes caros sem pagar. Elas fumam. Elas bebem. Elas quebram coisas. Elas roubam. Elas ateiam fogo no próprio quarto. "Você se importa?", elas perguntam uma a outra toda vez que fazem uma maldade. "Nem um pouco.", é a resposta sempre.


À medida que o nível de perversão das duas aumenta, o tamanho do traço do delineador nos olhos aumenta também. E à medida que o tamanho do traço do delineador nos olhos aumenta, ambas passam a se questionar cada vez mais. "Você se importa?", continuam perguntando uma a outra. "Nem um pouco.", ainda é a resposta.

Você consegue sentir o quão volátil a vida é?

Quanto mais vezes a pergunta se repete, mais as coisas ficam confusas. Quanto mais maldades são feitas, mais normal a maldade se torna. Até que chega ao ponto em que as duas começam a se perguntar se estão invisíveis, afinal ninguém mais as repreende. E se ninguém as percebe, como elas mesmas podem saber que realmente existem? "Como você sabe que existe?" uma pergunta à outra. "Por causa de você.", é a resposta.

O que será de nós?

E então, crentes de que ninguém mais poderia vê-las e de que nada que elas poderiam fazer teria qualquer significância, elas partem rumo ao caos total. Em uma sala de banquete repleta das mais diversas comidas e bebidas, elas cometem o ato de perversão final: a destruição completa de absolutamente todas as coisas, afinal nada realmente importa.


O filme tem uma estética surrealista e a montagem é absurdamente linda. Ele levanta umas questões muito fodas de um jeito abstrato e subjetivo demais. As primeiras cenas são uma reflexão sobre moralidade e todo o resto do filme é uma explosão enorme de anarquia, destruição, perversidade e niilismo; além do filme se transformar em uma completa crise existencial em forma de audiovisual da metade adiante:

As personagens começam a história decidindo traçar o caminho da perdição, e conforme elas vão saturando mais e mais o conceito de que nada importa, passa a surgir um questionamento muito leve do porquê das coisas importarem aos olhos alheios. Questões existenciais no sentido puramente literal da palavra são levantadas, afinal ambas duvidam não apenas do motivo por trás de suas próprias existências, mas também de suas existências própriamente ditas, pois chega um momento no qual elas não sabem mais dizer se realmente estão sendo vistas por todos que estão ao redor. "Nós existimos, nós existimos, nós existimos!", elas saem exclamando após refletirem sobre a razão pela qual as pessoas falam "Eu te amo.".

Esse filme é o meu favorito no mundo todo. Eu amo isso.

///////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////

desmazelada © 2022